PINKTIP LITERA: Vidas Secas


Tendo como inspiração a dissertação defendida no ProfSocio sob o título  “Narrativas que importam: Leituras literárias no ensino de gênero e sexualidade nas aulas de Sociologia”, a nova série Pinktip Litera traz sugestões de obras literárias que podem ser o ponto de partida para trabalhar em sala de aula diversos temas das Ciências Sociais. 

Vidas secas é um aclamado romance do escritor brasileiro Graciliano Ramos. O livro conta a história de uma família de sertanejos que por conta das adversidades socioambientais dos grotões do Nordeste se vê obrigada a migrar para tentar a vida em outra região.

Uma das personagens é Fabiano, vaqueiro que não frequentou a escola, mas acha bonita a capacidade de comunicar-se. Ganha a vida na lida do gado e por vezes as relações sociais que o atravessa no enredo apresenta um homem que, muitas vezes, possui naquela sociedade do Brasil profundo o mesmo status dos animais que cuida.

Sua mulher, Vitória, é construída como uma mulher devota, do lar e que trabalha muito. Além disso, possui o toque de sagacidade que falta a Fabiano e por isso consegue o livrar de algumas enrascadas. Seus filhos apresentam duas personalidades opostas. Um vê nos traços rudes do pai um exemplo a ser seguido. Já o outro possui o desejo voraz de conhecer as palavras. A família possui dois animais de estimação, a cachorra Baleia e o papagaio.

O texto relata a vida desta família, desde sua mudança de local, narrada no capítulo 1, dentro da mesma área até a fuga para outra região, quando vários fatos acontecem, inclusive uma prisão arbitrária de Fabiano por um policial.Com esta narrativa podemos pensar sobre a condição do povo daquele Nordeste da década de 1930, que é a ideia original do autor, com as tensões da pobreza, da formação daquela identidade sertaneja historicamente localizada. Contudo, podemos atualizar leituras sociais a partir do texto e falar do Brasil de 2020.

Se pensarmos no episódio no qual Fabiano é preso, podemos derivar um debate sobre como as instituições repressivas do Estado atuam frente às populações mais empobrecidas do país. O modo de inserção e operação das forças de segurança nas favelas ou nos territórios do interior, de acordo com a literatura comparada, muitas vezes é guiado pelo arbítrio dos agentes e não por aquilo que se considera “império da lei”.

Podemos ainda pensar a dimensão do humano em situações de pobreza extrema. No livro, Fabiano e a Baleia protagonizam uma história onde uma cachorra apresenta características humanas e um homem age como um animal irracional. Essa inversão proposital do autor serve para aquele contexto específico e para o nosso tempo. A relação humanos e não humanos perpassada por uma questão de classe pode ser refundada nas relações entre Pets da classe média e seus donos e na relação entre a classe A e B com pessoas em situação de rua ou até mesmo da classe C.

Prontos para embarcar nessa viagem ? Pega o livro e vamos nessa, pois temos muito a conversar. 

One thought on “PINKTIP LITERA: Vidas Secas”

  • Leticia Gabriela says:

    Grandes observações! Vidas secas é uma obra atemporal, capaz de incitar a emoção e a reflexão simultaneamente. A antropomorfização do animal é um topos de caráter central, como mencionado, sendo talvez a forma mais expressiva de metaforizar o ser humano moderno.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>